Por que ler?

Pais e educadores compartilham da convicção  de que a leitura é importante. Entretanto, nem sempre essa convicção é justificada por razões convincentes, particularmente quando se trata da leitura de textos literários, tampouco por  procedimentos que possam transformá-la em objeto de desejo

Para que a leitura seja um convite aprazível para crianças e jovens, a seleção das obras estéticas deve ser orientada para os interesses desses receptores. Obras significativas, que se harmonizam com as aspirações de crianças e jovens, são capazes de enriquecer  seu mundo interior e de lhes trazer respostas para conflitos e dilemas. A finalidade inerente ao texto literário – interpor uma ponte entre a fantasia e a realidade do leitor – é, pois, a primeira justificativa para a valorização de sua leitura e dela resulta a motivação para novas aventuras no universo da ficção e da poesia.

Bons textos dependem do leitor para serem concretizados, isto é, o receptor é que dá forma à intencionalidade dos textos. Portanto, obras a serem lidas devem privilegiar o espaço do leitor, e as atividades de compreensão, voltar-se para a ação participativa dele. Assim, o protagonismo do leitor é a segunda razão que sustenta a importância da leitura de textos literários, sendo um critério para sua seleção.

A recíproca transferência entre o mundo do texto e o do leitor, a qual se institui por esse último, instala-se por meio do diálogo. A possibilidade de compartilhar o diálogo instalado pela leitura e de enriquecê-lo com a participação de outros leitores também justifica o ato de ler. Dividir o prazer da leitura é uma experiência coletiva que contribui para a formação dos indivíduos e, por isso, é frutífero desenvolvê-la no espaço escolar. 

 

Texto escrito por: Professora Juracy Assmann Saraiva - Colaboradora Jornal na Sala de Aula

Compartilhe isso: